Brasil, Canela, Gastronomia, Rio Grande do Sul

Castelinho Caracol: a “Alemanha” gaúcha

A residência alemã em formato de Castelinho em Canela, RS

E mais uma segunda-feira chegou (voando)… Mas,  o dia menos popular da semana também é sinônimo de post novo no WNP! Hoje é sobre o Castelinho Caracol, aproveitando o gancho do último “Tô de Folga”. O quadro de turismo do Jornal Hoje, da Rede Globo. Visitei esta atração turística na minha viagem à serra gaúcha e vou contar tudo para você!

O que é?

caracol
Cada detalhe na propriedade foi pensado. Repare nas placas em alemão. Foto por Filipe Bender. 

O Castelinho Caracol foi a residência da família alemã Franzen, uma das primeiras do município de Canela. A casa foi construída pelo patriarca Pedro Carlos Franzen, casado com Luiza Sommer, entre 1913 e 1915.

O que a tornou especial foi o modo como foi construída: sem o uso de pregos. Isso mesmo, você leu certo. As madeiras de araucária foram encaixadas, sem utilizar pregos.

caracol
Foto por Filipe Bender.

A madeira foi previamente imersa na água do Arroio Caracol por 6 meses e, depois de serrada, foi seca naturalmente à sombra. Essa técnica biológica a deixou duradoura. Por fim, foi cortada e trabalhada para se adaptar ao projeto de Franzen, na forma de um castelinho, dividido em 18 ambientes.

Desde 1985, o Castelinho Caracol é um museu aberto ao público para visitação da casa que um dia foi o lar da família Franzen. Muitos utensílios e móveis foram mantidos intactos, assim como as paredes, proporcionando uma volta ao passado e à cultura alemã.

caracol
Foto por Filipe Bender.

Dois dos espaços no andar térreo são hoje duas salas de chá, onde são vendidos chá de canela e a tradicional apfelstrudel, a torta de maça alemã.

caracol
Foto por Filipe Bender.

A receita é da família Franzen e a sua produção já está na 5a Geração. É imperdível experimentar ambos. São deliciosos. É impossível resistir, eis que o aroma da torta irradia o lugar.

O preço não é doce quanto a torta… Custa R$23,00 sem a nata ou  sorvete de creme. Mas, como já comentei aqui no blog, a gastronomia faz parte da viagem. Então, vale a pena prová-la!

caracol
Na foto não parece tão boa, mas é muito!

Na sede principal há uma loja de souvenires com produtos típicos, tais como porcelanas e relógios cuco de madeira (fabricados na região da Floresta Negra, na Alemanha). 

caracol
Foto por Filipe Bender.

A propriedade conta ainda com a casa dos serradores (onde Pedro Franzen fazia seus trabalhos), a casa do vô e uma área verde com lago.

caracol
Foto por Filipe Bender.
caracol
Foto por Filipe Bender.

Onde?

Estrada do Caracol Km 03, S/Nº

Canela – Serra Gaúcha – Brasil


Como chegar?

O melhor jeito de se localizar é dar um check no mapa fornecido no site:

http://www.castelinhocaracol.com.br/pt/localizacao


Dias/Horários de funcionamento?

Todos os dias da semana: das 9h às 13h / 14h 20m às 17h 40m.


Quanto?

Ingressos: R$ 10,00 adultos.

Crianças até 10 anos: isentas, desde que acompanhadas dos pais.

Acima de 60 anos: 50% de desconto.


Contato

+5554 3278-3208

http://www.castelinhocaracol.com.br/pt

museu@castelinhocaracol.com.br


Curiosidade

O filme “As Filhas do Fogo”, um suspense brasileiro de 1978, foi gravado no Caracol. A trama envolve Ana, interpretada por Rosina Malbouisson, e Diana, o papel de Paola Morra. As duas amigas conhecem Dagmar (Karin Rodrigues), uma mulher misteriosa que diz ouvir vozes do além. Eu nunca assisti, quem ai já?


 

E aí? Curtiram o post? Deixem seus comentários abaixo!! E, se forem visitar o Castelinho Caracol, já sabem o esquema: avisem que foi dica do WNP! 😉 Espero que tenha deixado sua segunda-feira mais doce!

Advogada por profissão, escritora por hobby e viajante por paixão.

4 COMENTÁRIOS

  • Parabéns pelo post Ana! Não paro de pensar no chá de maçã, estava ótimo né? Abraços.

    Responder
    • Obrigada Thiago! Mais uma super dicas dos nossos queridos guias locais 🙂 Estava muito bom! Beijos

      Responder
  • Aquele cheirinho de maçã que tem no castelinho… que delícia!

    Responder
    • É impossível resistir ao cheirinho, né? Que vontade de comer uma apfelstrudel…

      Responder

ESCREVA UM COMENTÁRIO