Novidades, Passaporte, PRÉ-VIAGEM

Perdi/estraguei, e agora?

Viajantes, eu sei que é difícil, mas em caso de perda ou estrago parcial ou completo do seu passaporte não entrem em pânico! Respirem fundo e vão imediatamente ao posto mais próximo da Polícia Federal para informar a perda ou estrago do seu passaporte.

Não esqueçam de levar com vocês um documento de identidade atualizado. Lá vocês vão preencher um formulário chamado “Comunicação de ocorrência com documento de viagem”.

Lembrem-se: a previsão de informação imediata está prevista em lei! Mais especificamente no Decreto nº 1983 de 1996.

“Art. 33. É dever do titular comunicar imediatamente, à autoridade expedidora mais próxima, a ocorrência de perda, extravio, furto, roubo, adulteração, inutilização, destruição total ou parcial do documento de viagem, bem como sua recuperação, quando for o caso”.

Ok, imagino que muitos de vocês devem estar pensando que se a perda ou estrago ocorrer no Brasil vai ser fácil, mas o grande medo é: e se eu perder ou estragar meu passaporte quando estiver fora?

Aí que mora o problema! Mas, acalmem-se! A primeiríssima atitude que deve ser tomada nessa hipótese e ir até o consulado ou embaixada brasileira do país em que você estiver para solicitação de um novo.

Ou seja, caso vocês estejam em uma cidade sem representação brasileira, vocês terão que programar uma viagem interna para ir até a cidade que tenha. Caso caia logo em um final de semana ou feriado, terão de extender  a viagem até o próximo dia útil.

Além do eventual deslocamento e prolongamento forçado da viagem, não existe passaporte de emergência no exterior e a validade vai variar a critério da autoridade consular.

Como se já não bastassem os inconvenientes citados acima, ainda terão de enfrentar o fator monetário! O preço para o novo passaporte não será dos mais amigáveis. Não tenho como precisar quanto, porque vai depender de qual país e qual autoridade vai prestar o serviço. Em todo caso, vocês também terão que preparar o bolso.

Perder ou estragar o passaporte fora do país é algo que não desejo para ninguém, porém, caso aconteça, não se desesperem e nem estraguem a viagem. Afinal, se o que não tem remédio, remediado está, quiçá o que tem!

Espero que tenha conseguido ajudá-los!

Ficou alguma dúvida? Entre em contato nos comentários ou por aqui.

Advogada por profissão, escritora por hobby e viajante por paixão.