Japão
Japan

Por que viajei ao Japão? Saiba tudo aqui!

Japão e seus efeitos sobre mim… 

Japão
Fushimi Inari Shrine, Kyoto.

Antes de escrever sobre minha viagem ao Japão, meu 50º país, vou contar o motivo da minha escolha. Inusitada para muitos. Que nesses 26 aninhos de existência meu coração sempre bateu mais rápido pelo simples som da palavra “viagem”, vocês já estão cansados de saber. Para você que caiu de pára-quedas aqui no WNP, seja bem-vindo e acostume-se com meu espírito andarilho. Prazer, meu nome é Ana Paula e liberdade é o que me prende.

O Japão surgiu de repente na minha vida na forma de uma menina japonesa morena/ruiva, de olhos verdes, um guarda-roupa invejável e poderes mágicos. O nome dela? Sakura Kinomoto. Para quem não conhece trata-se de uma personagem de desenho animado chamado Sakura Card Captors. Com meus sete ou oito anos, meus olhos brilhavam com as paisagens da animação e com a cultura japonesa interpretada pelos personagens da ficção infantil. Aos alheios ao universo da “capturadora” de cartas, confiram o link abaixo (e aos amantes, como eu, matem as saudades):

Anos mais tarde, aos catorze, e velha demais para assistir Sakura, surgiu a ideia de fazer uma feira de ciências sobre o Japão. Conseguimos o contato de uma japonesa original (afinal japonesa ruiva só em desenho…) que nos ensinou muito sobre a cultura do seu país, como tomar o chá verde, como vestir o kimono, fazer o penteado e maquiagem. Resumo da ópera: fiquei determinada a visitar o Japão.

Por motivos de escola, faculdade, trabalho e, sobretudo, falta de verba, o destino tornou-se um sonho remoto.

Eis que uma busca descompromissada no Melhores Destinos despertou o desejo infantil: passagens de ida e volta de São Paulo a Tokyo por R$2.700,00 com taxas incluídas. Em junho, mês do meu aniversário. No melhor estilo “Why not?” comprei. Estava na estrada indo para a praia lutando contra as quedas de sinal, mas deu certo. Faltava uma companhia para essa aventura. Afinal não é qualquer um que topa na hora atravessar o mundo com você. Só mesmo quem te pôs nele.

Isso mesmo, coloquei minha mãe na minha loucura.

Depois de dois meses de planejamento e muita ajuda dos meus seguidores maravilhosos descendentes ou não de japoneses, dos funcionários super atenciosos do Consulado do Japão em Curitiba e da Agência Gema Turismo de São Paulo, consegui organizar tudo, sem saber mais do que 5 palavras em japonês e sem guia.

Se valeu a pena? Confira nos próximos posts! A prévia, caso tenha perdido, você encontra no Instagram pelas #wnp50 #whynotpackjapan.

Advogada por profissão, escritora por hobby e viajante por paixão.

3 COMENTÁRIOS

  • Adorei acompanhar a sua viagem pelo Insta!! Ainda mais agora com o relato de toda a sua experiência e impacto na sua vida!! Bacana demais!

    Responder
    • Muito obrigada sua fofa <3 Ler um comentário como o seu faz todo o meu trabalho valer a pena!! Fiz questão de dar início à série de posts do Japão contando o que me motivou a ir justamente para compartilhar o impacto desse país incrível em mim!

      Responder
  • Adorei Ana!! Esperamos a próxima viagem!!

    Responder

ESCREVA UM COMENTÁRIO